A equipe de investigação da 2ª Delegacia de Polícia de Pelotas prendeu uma quadrilha que há meses vinha atuando na Região Sul do Estado. O grupo composto por dois homens e duas mulheres de Porto Alegre, vinha periodicamente para a região, aplicando golpes em Camaquã, Pelotas, Canguçu e outras cidades.

A quadrilha espionava a senha do cartão bancário das vítimas enquanto faziam compras no comércio ou saques bancários e, depois, efetuavam o furto do cartão, geralmente sem que as vítimas percebessem. Imediatamente a quadrilha passava a realizar saques e compras em lojas, causando grande prejuízo.

Segundo a delegada Walquiria Meder, responsável pela investigação, a quadrilha escolhia sempre as vítimas com perfil de maior vulnerabilidade, geralmente mulheres idosas e desacompanhadas. Segundo a delegada, a quadrilha mostra-se bastante organizada e detalhista, sendo que cada integrante tinha papel determinado na aplicação dos golpes, e atuavam com extrema destreza.

A identificação dos criminosos só foi possível após exaustivas diligências de busca de imagens e apoio das polícias das demais cidades percorridas pela quadrilha. No curso da investigação, após a identificação de diversas vítimas, foi representado ao Poder Judiciário pela prisão preventiva dos criminosos, medida cumprida na terça-feira (5).

Durante a ação, o grupo foi detido no centro da Cidade enquanto aplicava novos golpes. Com eles foi encontrado vasto material oriundo dos delitos, especialmente cartões-presente de lojas e notebooks adquiridos com os cartões das vitimas, pelo que também foram autuados em flagrante. Walquiria destacou, ainda, que os integrantes da quadrilha apresentavam extenso histórico de crimes da mesma natureza, praticados desde longa data, bem como ostentavam uma vida bastante confortável pelas redes sociais, inclusive com registros de viagens internacionais. V.L. de 55 anos, S.G.A.N de 59 anos, J.B.M. de 61 anos e .B.JB.B.S. de 60 anos, foram encaminhados à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento e posteriormente ao Presídio de Pelotas.

A titular da 2ª DP solicita que as vítimas que tiveram seus bens subtraídos de maneira semelhante, e especialmente aquelas que tenham condições de reconhecer os autores dos crimes, compareçam na delegacia para esclarecimentos e reconhecimentos.