Ivone Bachi, mãe do técnico Tite, faleceu no início da tarde deste sábado em São Bráz, interior de Caxias do Sul. Ela tinha 83 anos de idade e morreu de causas naturais. O velório acontecerá ainda hoje na Capela A do Memorial São José, na cidade gaúcha. O sepultamento está marcado para o domingo, no Cemitério Parque, às 16h.

As primeiras homenagens começaram ainda na tarde deste sábado. Antes do início do jogo entre Caxias do Sul e Juventude, disputado neste sábado no estádio Alfredo Jaconi, os jogadores fizeram um minuto de silêncio. Tite foi técnico do Caxias e campeão do Campeonato Gaúcho em 2001.

Dona Ivone foi uma das grandes incentivadoras da carreira do técnico da Seleção Brasileira. Durante a Copa do Mundo da Rússia, no ano passado, ela recebia ligações do filho diariamente e assistia aos jogos da seleção. Mas nem sempre foi assim. No início, a preocupação com o resultado do jogo do time do “Ade” – como a família se refere a Tite – a deixava nervosa, e ela evitava a todo custo assistir aos jogos.

As revelações foram feitas em entrevista exclusiva ao Estado, em agosto de 2017. Ela revelou que reconheceu a vocação do filho para o futebol desde cedo, assim como a insistência de Tite em seguir carreira. O pai de Tite, Tenor Bachi, morreu em 2009, aos 74 anos, quando Tite era o técnico do Inter.

Muito ligado à família, o treinador sempre diz que só teve sucesso graças ao apoio dos pais. Quando Tite foi apresentado como técnico do Brasil, em 2016, ele se emocionou ao falar sobre o momento em que deu a notícia para Dona Ivone.

Em sua primeira entrevista como técnico da Seleção, Tite ganhou uma camisa da equipe com o nome de sua mãe nas costas. “Eu disse: ‘Mãe, seu filho é o técnico da Seleção Brasileira’. Ela começou a chorar e me deu bênção”, contou o treinador, emocionado.